Cruzeiro vence e é campeão do Brasileirão com quatro rodadas de antecedência

Arquivado em: Esportes |
Foto: JULIANA FLISTER / Estadão Conteúdo

Foto: JULIANA FLISTER / Estadão Conteúdo

Dez anos depois de vencer o primeiro Brasileirão de pontos corridos, o Cruzeiro voltou a ser campeão nacional. Além da vitória por 3 a 1 em cima do Vitória, o time mineiro havia sido favorecido com o resultado da partida entre Criciúma e Atlético-PR. A equipe paranaense era a única que poderia alcançar o Cruzeiro, mas acabou perdendo por 2 a 1 para o Cruciúma e ficou distantes 14 pontos do líder, faltando quatro rodadas para o fim do campeonato, ou seja, 12 pontos a serem disputados.

No intervalo da partida contra o Vitória, o jogo do Criciúma já  havia encerrado, consagrando o time mineiro como campeão do Campeonato Brasileiro. Os gols do Cruzeiro foram marcados por Júlio Baptista, Willian e Ricardo Goulart.

Foi o terceiro título da Raposa — em 2010, a CBF decidiu reconhecer como conquistas nacionais a Taça Brasil (que o Cruzeiro ganhou em 1966) e o Torneio Roberto Gomes Pedrosa.

Até o momento, o time de Marcelo Oliveira disputou 34 partidas, venceu 22, empatou e perdeu 6, consagrando-se campeão com 70,6% de aproveitamento. Assim, o Cruzeiro se iguala ao São Paulo de 2007, que também foi campeão na 34ª rodada, quatro antes do final do campeonato.

A consagração de Marcelo Oliveira
Atacante do Atlético-MG por oito temporadas, Marcelo Oliveira só foi conhecer a glória em âmbito nacional vestindo as cores do arquirrival. Marcelo estreou no profissional no Galo em 1972 _ um ano depois do único título brasileiro do alvinegro —, jogou no Botafogo de 1979 a 1983, voltou a BH e encerrou a carreira em 1985, no América-MG. A vida como treinador começou bem mais tarde, em 2003, nas categorias de base do Atlético-MG. Em 2007, assumiu o CRB. Depois passou por Atlético-MG (2008), Ipatinga (2009) e Paraná (2010), até se firmar no Coritiba (2011 e 2012), onde ganhou seus primeiros títulos (o bicampeonato paranaense) e chegou a duas finais de Copa do Brasil. No Cruzeiro campeão do Brasileirão, enfim, aos 58 anos, conquistou uma taça nacional.

Os “gaúchos”
O Cruzeiro reúne um time de ex-jogadores da Dupla Gre-Nal. Entre os zagueiros, estão Léo, revelado no Olímpico, e Paulão, destaque no Tricolor de Renato Portaluppi em 2010. O lateral-direito Ceará foi campeão do mundo pelo Inter em 2006, e dois volantes passaram pelo Beira-Rio: Leandro Guerreiro e Tinga, que também teve passagem pelo Grêmio. Quando era técnico do Colorado, Falcão lançou o meia Ricardo Goulart, um dos destaques da Raposa. Para o ataque, o treinador Marcelo Oliveira conta com o ex-Inter Dagoberto e o ex-Grêmio Borges.

Os goleadores
Com 10 gols, Borges e Ricardo Goulart são os goleadores do Cruzeiro no Brasileirão. O atacante ex-Grêmio é tricampeão: venceu com o São Paulo em 2007 e 2008. Já Ricardo Goulart é o seu primeiro título.

É tetra!
Dagoberto, 30 anos, comemorou ontem seu quarto título de campeão brasileiro. O atacante já havia ganho dois com o São Paulo, em 2007 e 2008, e participou de dois jogos na campanha do Atlético-PR em 2001. O técnico Geninho o tirou do time de juniores e promoveu sua estreia na partida contra o Botafogo-SP, em Ribeirão Preto, em 28 de outubro.

O craque
O Cruzeiro gastou cerca de R$ 4 milhões para tirar do Coritiba Éverton Ribeiro — sob indicação do treinador Marcelo Oliveira, que comandou o meia canhoto seus dois anos de clube paranaense. Saiu barato. Destaque do Coxa em 2012 (foi vice-artilheiro, com nove gols), o jogador paulista de 24 anos tornou-se a referência técnica da Raposa. Com a camisa 17, já marcou 15 vezes na temporada, sendo que pelo menos três foram golaços. Não é por nada que o próprio Éverton declarou: “Sei que o Felipão está me olhando. Se ele achar que eu devo ser convocado, estarei pronto”.

ZHESPORTES

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *