Geração “nem-nem” cresce longe de emprego e escola

Arquivado em: Educação,Geral |

bolsa_familia

Nem estudando, nem trabalhando. Mais de dois em cada dez jovens brasileiros entre 18 e 20 anos se encontravam nessa espécie de limbo em 2009, à margem da crescente inclusão educacional e laboral registrada no país em anos recentes.
Essa geração “nem-nem” (tradução livre do termo ni-ni, “ni estudian ni trabajan”, usado em espanhol) representa uma parcela crescente dos jovens de 18 a 20 anos.
Eram 22,5% dessa faixa etária em 2001 e 24,1% em 2009 (o equivalente a 2,4 milhões de pessoas). Nesse mesmo período, a taxa de desemprego no país recuou de 9,3% para 8,4%.
Os dados são da PNAD (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios) e foram levantados pelo pesquisador Naercio Menezes Filho, do Centro de Políticas Públicas do Insper.
Segundo especialistas, essa tendência é resultado de várias causas. Entre elas, paradoxalmente, o maior aquecimento no mercado de trabalho -que tem acirrado a competição- e o aumento significativo de transferências do governo para famílias de renda mais baixa.
“Há mais vagas sendo criadas, mas a concorrência também é maior e e esses jovens têm pouca ou nenhuma experiência”, diz Menezes.
A hipótese é confirmada pelos próprios jovens que fazem parte dos “nem-nem”.
“Quem emprega quer experiência. Não tem muita oportunidade para jovens da minha idade”, reclama Cibele Morelis, 20 anos, ensino médio completo e desempregada há três meses.
À falta de experiência se soma outro problema: a formação educacional precária.
“Temos hoje um cenário de jovens com escolaridade crescente mas de péssima qualidade. Nos últimos 15 anos, a política educacional privilegiou o ensino universitário, em detrimento do fundamental e do médio”, diz Cláudio Dedecca, professor de economia da Unicamp.

SEM PORTUGUÊS
Quem recruta jovens faz eco a esse diagnóstico.
“O resultado de anos e anos de aprovação automática é que jovens com diploma de ensino médio chegam aqui sem falar bem o português. São especialistas em Orkut, mas não têm ideia de como usar o Office”, diz Bruna Barreto, do Isbet (Instituto Brasileiro Pró Educação, Trabalho e Desenvolvimento).
Em situação ainda pior está quem nem terminou o ensino médio. É o caso de Janaína Farias, 18 anos. “Perdi a vaga na escola por excesso de faltas. Estava trabalhando como auxiliar de cozinha.”
Mas, segundo especialistas, há jovens em situação oposta à dela. São os que decidem adiar os planos de trabalhar porque a renda da família engordou com transferências do governo.
“Jovens de famílias nas quais algum membro recebe transferências do governo acabam incentivados a não buscar trabalho”, afirma José Márcio Camargo, da PUC-RJ e da Opus Gestão de Recursos.

 ÉRICA FRAGA – Folha de S. Paulo

Deixe uma resposta