Governo decreta ponto facultativo para servidoras nesta quarta (8)

Arquivado em: Geral,Piauí |
Imagem Ilustração

Imagem Ilustração

Em virtude das comemorações alusivas ao Dia Internacional da Mulher, celebrado no dia 08 de março, o Governo do Estado decretou ponto facultativo para todas as servidoras públicas estaduais, nesta quarta-feira (8). A medida, além de homenagear e reconhecer o trabalho das mulheres no serviço público, visa promover o debate e a reflexão sobre os direitos e conquistas das mulheres e sobre o empoderamento feminino nos diversos segmentos da sociedade.
De acordo com o secretário de Governo, Merlong Solano, o ponto facultativo representa o reforço a uma causa que precisa de grande visibilidade e é fruto de uma cultura machista e patricarcal. “É preciso aproveitar esta oportunidade, que é o Dia Internacional da Mulher, para dar visibilidade ao aspecto negativo desta cultura machista e violenta contra a mulher, por um lado, e de outro lado, chamar atenção para a importância de iniciativas positivas e propositivas no sentido da promoção de uma democracia de gênero na nossa sociedade e na nossa cultura”, ressaltou Solano. 
Para festejar a data, o Governo do Estado, por meio da Coordenadoria de Estado de Políticas para as Mulheres (CEPM-PI), promoverá uma programação especial do Março Mulher 2017, que conta com uma agenda de atividades. Nesta quarta-feira (08), data em que se comemora o Dia Internacional da Mulher, ocorrerá o lançamento do Selo “Atitude Mulher” e do Programa “Mulheres Mil”, no Palácio de Karnak, às 11h.
O Selo “Atitude Mulher” visa o reconhecimento de empresas que busquem métodos inovadores na gestão de pessoas e cultura organizacional, para, assim, alcançar a igualdade entre mulheres e homens no mundo do trabalho. Já, o Programa Mulheres Mil é uma parceria entre a Secretaria de Estado da Educação (Seduc), Secretaria de Estado da Justiça (Sejus) e Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec), com o objetivo de ofertar cursos técnicos e profissionalizantes para mulheres em vulnerabilidade social do sistema prisional.

Fonte: Celina Honório – Ccom

Deixe uma resposta