Pessoas bonitas são mais propensas a serem “conformadas” e egoístas

Arquivado em: Entretenimento,Geral |

090319-woman-pain-02-600x519

Segundo um estudo da Universidade Aberta de Israel e da Universidade Hebraica de Jerusalém, pessoas atraentes são geralmente vistas como pessoas com características sociais desejáveis, mas, na verdade, são mais propensas a terem valores não tão bonitos, favorecendo conformidade e autopromoção a independência e tolerância.

118 estudantes universitárias participaram do estudo como “alvos”. As mulheres, com média de 29 anos, responderam a questionários para medir seus valores (como tradição, conformidade e benevolência) e traços de personalidade (como afabilidade, extroversão e neuroticismo).

Em seguida, foram filmadas durante cerca de um minuto entrando em uma sala, lendo a previsão do tempo para uma câmera, e saindo da sala.

Entram outros 118 participantes, 40% do sexo masculino, que serviram como “juízes”. Cada juiz assistiu a um vídeo de uma das participantes “alvo”, escolhida aleatoriamente, para avaliar seus valores, traços e atratividade.

Se o juiz considerou a participante alvo atraente fisicamente, ela também era percebida como agradável, aberta a experiências, extrovertida, consciente e emocionalmente estável – todas características socialmente desejáveis.

Os juízes também foram mais propensos a acreditar que as mulheres mais atraentes valorizavam mais conquistas (profissionais, pessoais) em comparação com as mulheres menos atraentes.

Porém, o resultado real foi bastante contrário à percepção dos juízes. Enquanto eles literalmente “julgaram o livro pela capa”, os questionários preenchidos pelas participantes não mostraram qualquer correlação entre ser bonita e ter traços desejáveis de personalidade.

Pior: as mulheres vistas como mais atraentes fisicamente eram mais propensas a apoiar valores como conformidade e tradição, em vez de valores como a autodireção e o universalismo, ligados à tolerância e uma preocupação com os outros.

De acordo com os pesquisadores, o estereótipo do que “o que é bonito, é bom” certamente não é verdade para todos os casos, já que pode ser que as pessoas mais “bonitas” (segundo padrões da sociedade) sejam também mais conformadas, egoístas e intolerantes.

Fonte:  Natasha Romanzoti – LiveScience, NYDailyNews

Deixe uma resposta